Neuralgia do Trigêmio

É considerada uma das piores dores em que o ser humano pode sentir, a Neuralgia do Trigêmio (NT) é caracterizada por dor paroxística (duração de segundos ou minutos), intermitente (desaparece e reaparece) e de grande intensidade, é do tipo choque, localizada no território da inervação do nervo trigêmeo e, vale a pena ressaltar, é a mais comum das neuralgias craniofaciais. É mais comum na população idosa.

Imagem Neuralgia do Trigêmio

O nervo do trigêmeo recebe esse nome, pois possui três ramos: o ramo oftálmico (acompanha os olhos), o ramo maxilar (acompanha todo o maxilar superior) e o ramo mandibular (acompanha a mandíbula). É um nervo sensitivo que controla as sensações que se espalham pela face, enviando-as como mensagens ao cérebro.

Durante a crise neurálgica, o papel desse nervo é alterado. A causa mais comum, possivelmente, é em decorrência do contato entre um vaso sanguíneo - neste caso, uma artéria - e o nervo do trigêmeo. Este contato coloca pressão sobre o nervo e faz com que ele não funcione corretamente e provoque a tão temida dor. Vários são os estímulos desencadeantes, que são conhecidos como gatilhos, como, por exemplo: comer, beber, fazer a barba, escovar os dentes, maquiar, falar, acariciar o próprio rosto, sorrir, estar exposto ao vento e lavar o rosto.

Esse mal pode acometer pessoas várias faixas etárias, porém é mais comum na população idosa. Além disso, a neuralgia pode estar relacionada à outras doenças, como a esclerose múltipla (doença neurológica, crônica e autoimune – ou seja, as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central, provocando lesões cerebrais e medulares), menos comumente, pode ser causada por um tumor que esteja comprimindo o nervo do trigêmeo, porém em alguns casos a causa não é identificada.

O diagnóstico é clínico, realizado por meio da história e pelos sintomas apresentados pelo paciente. Para complementar o diagnóstico, podem ser solicitados exames de ressonância magnética e tomografia computadorizada do crânio, para descartar outros problemas (Ex.: compressão dos vasos sanguíneos, tumores que possam comprimir o nervo ou outras causas).

Sobre o tratamento, a maioria dos casos tem boa evolução com o uso de medicamentos, porém para os casos refratários (em que não melhoraram), pode se optar por procedimentos minimamente invasivos percutâneos – como a radiofrequência ou a compressão do trigêmeo por balão -, ou até mesmo cirurgia.

Mídias

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.